Também conhecido como fita de transferência térmica ― TTR (Thermal Transfer Ribbon), o ribbon é o componente para impressão térmica. Por ser uma película plástica, revestida com tinta, exerce a mesma função do toner nos equipamentos convencionais. Assim, quando é aquecido, em determinados pontos, transfere as informações para a etiqueta. Você entenderá melhor o que é esse dispositivo, clicando aqui. Ele pode ser classificado em 3 tipos: ribbon resina, ribbon cera e ribbon misto.

Para explicar melhor a diferença entre eles, preparamos este artigo. Continue a leitura e entenda mais sobre o assunto.

Ribbon Cera

O ribbon cera é usado para a produção de diversos tipos de produtos, tais como impressão de dados, código de barras em papel e etiquetas adesivas. Suas principais características são a impressão em altas velocidades e baixas temperaturas, além de possuir um custo menor, se comparado aos outros tipos.

Os pontos de atenção desse componente são a baixa resistência ao atrito, temperatura, lavagem e produtos químicos. Entretanto, apesar de suprir as necessidades de qualidade e impressão, sua sensibilidade aos atributos listados precisa ser testada e aprovada.

Ribbon Resina

Diferente do modelo citado acima, o ribbon resina é utilizado quando se precisa de alta resistência em materiais que sofrem com o atrito. É o caso de etiquetas expostas a condições extremas, como congelamento. Também, são comuns em etiquetagem de produtos químicos, produtos perigosos, placas de circuito impresso, entre outros.

Apesar de ter um custo mais elevado, ele garante que a informação impressa na etiqueta não seja perdida no processo. Dessa forma, necessita de mais energia para realizar a impressão.

Ribbon Misto

Outro tipo desse componente de impressão é o ribbon misto. É caracterizado por uma película plástica que é confeccionada com cera e resina. Assim, possui mais resistência ao calor e à umidade, se comparado ao de cera. Porém, não tanto quanto o de resina.

Esse tipo é utilizado em etiquetas que necessitam de média durabilidade. São os casos das que sofrem atrito, como as utilizadas no transporte de carga. Mesmo sendo fácil de trabalhar com o ribbon misto, não são indicadas para condições climáticas extremas ou produtos químicos muito abrasivos.

Qual a aplicação ideal?

Além de custo e durabilidade, a questão mais importante na hora de escolher entre os ribbons, é saber qual é o ideal para cada aplicação de uso. Afinal, de nada adianta adquirir o mais barato ou o mais resistente se ele não for a solução correta para a sua impressão.

Abaixo, você pode conferir a indicação correta para cada ribbon.

Ribbon resina: impressão de BOPP, materiais plásticos ou sintéticos, tais como polipropileno, poliéster, polietileno etc. Bastante usados para identificação de produtos químicos e farmacêuticos. Alta resistência mecânica e abrasiva.

Ribbon cera: papel tipo Offset, couchê ou transtherm. Geralmente, utilizado em etiquetas de identificação, prateleira, promoções e com código de barras em papel. Baixa resistência mecânica.

Ribbon misto: utilizado em papel ou filme como Couchê, polietileno, Poliestireno, BOPP Fosco. Pode ser usado em etiquetas de código de barras, por exemplo. Média resistência mecânica.

Como você pôde ver, o uso do ribbon resina, ribbon cera e ribbon misto é escolhido conforme a sua aplicação. Claro que, independente de qual for a sua necessidade, é importante utilizar uma fita de transferência térmica de qualidade, como as que são comercializadas aqui na IIMAK. Isso irá garantir uma impressão eficaz e sem desperdícios.

Para mais informações sobre impressão de transferência térmica, acesse o nosso blog.