Se você lida com impressão por transferência térmica, tem que conhecer as novidades do mercado. Por isso, é normal querer saber se a troca de ribbon é interessante, já que os tipos e usos são tantos que podem causar dúvidas. Por isso, no artigo de hoje, entenda quando uma mudança é positiva ou quando vai trazer prejuízo! Acompanhe!

Troca de ribbon: conheça as indicações de aplicação

Existem vários tipos de ribbon e a razão é simples: há diversos objetivos, usos e bases que demandam produtos diferentes. Diante de toda essa diversidade é comum se questionar sobre a troca de ribbon. É possível? Sim. Contudo, desde já, adiantamos que o preço não deve ser o fator decisivo. Então, para tomar uma decisão acertada, é importante conhecer os tipos. Continue a leitura!

Ribbon de cera

Essa categoria é indicada para impressões em bases porosas, como papel. Assim, é utilizada na reprodução de códigos de barras, tags, etiquetas de preço ou de controle interno. Além disso, o ribbon de cera proporciona produção ágil e com bastante contraste. Outra característica é que a resistência da impressão é menor. Isso quer dizer que ela não é indicada para exposição a altas e baixas temperaturas, atrito ou produtos abrasivos.

Ribbon de resina

Já o ribbon de resina tem como característica principal a resistência. Nesse caso, a base usada é o plástico, BOPP, poliéster ou polietileno. Essa combinação é ideal para suportar fricção, produtos químicos e ambientes de frigoríficos, por exemplo. Além disso, a resina é empregada em casos em que a informação não pode se perder, como etiquetas laboratoriais.

Ribbon misto

O tipo misto carrega algumas características da cera e, também, da resina. É uma categoria intermediária. Assim, é resistente ao calor e umidade, mas não a produtos químicos e temperaturas extremas.

Depois de conhecer um pouco de cada produto, é fácil entender que não faz sentido falar em troca de ribbon sem analisar qual será o uso e as necessidades específicas. Escolher o de cera quando o ideal é o de resina leva a uma perda de qualidade e informação. Já optar pelo de resina quando a melhor escolha seria o de cera, onera a produção e, igualmente,  compromete a qualidade. Em suma, há prejuízo nos dois casos.

Quando a troca de ribbon é recomendada?

Existem situações em que é aconselhada a mudança. Veja, a seguir, alguns exemplos!

1. Aumentar a qualidade da impressão

É possível fazer a troca de ribbon quando é necessário aumentar a qualidade da impressão. Contudo, não é uma mudança de categoria. Para isso, é interessante escolher as versões superiores do mesmo produto. Nesses casos, a melhor pedida são os ribbon de cera ou resina premium.

2. Mudar a base utilizada

Quando a base utilizada é alterada, o ribbon também deve mudar. O de cera não tem um bom desempenho no plástico, por exemplo. Isso acontece porque a tinta não é fixada nesse tipo de material, o que causa perda de informação e borrões.

3. Aumentar a durabilidade

Pode acontecer de as necessidades mudarem e ser preciso utilizar um que seja mais resistente e preserve as informações. Nesse caso, é aconselhável fazer a troca do ribbon pelo misto ou de resina. É interessante avaliar, também, se não será necessário mudar a base.

Caso seja realizada a mudança, é bom se atentar a um detalhe. Como cada tipo de ribbon possui características diferentes, será necessário realizar ajustes de intensidade (darkness) e velocidade na impressora para obter o máximo desempenho.

A troca ou não do ribbon interfere diretamente na qualidade da impressão. Contudo, esse não é o único fator envolvido em uma produção de qualidade. É preciso levar em conta também a escolha da base, como já adiantamos. Leia o artigo e saiba mais sobre o assunto!